terça-feira, 8 de dezembro de 2009

CONHEÇAM A TERRA DO(S) MEU(S) PAI(S) - 13


Dia de Mercado em  Mapuçá

O Reino de Sundém e as suas relações com Goa/4
Quanto aos soberanos de Sundém com residência em Goa (em Goalim-Moulá de 1764 a 1774 e em Bandorá a partir de então) J.A. Ismael Gracias dá-nos a seguinte sucessão até 1898, ano em que deu à estampa Casa de Sunda (um dos anexos do volume I da HISTÓRIA DE GOA de M.J. Gabriel Saldanha), escrita que começa po: "Era antiquíssimo o reino de Sunda ou Sundém, constituido por uma extensa parte do antigo Bisnagar, tendo dois terços do seu território, a leste e oeste de cordilheira dos Gates, no Canará do Sul...":
* Savai Immodi Sadassiva: de 23.01.1764 (data em que se acolheu a Goa) a 10.02.1775 (data do falecimento).
* Savai Bassava Linga Rajendra, casado com Razanoji, princesa de Corga cujo pai foi nomeado primeiro adikari o palácio e tutor do rei: 10.02.1775 a 15.02.1834 (data em que faleceu).
* Sadassiva Ragendra, seu filho mais velho, casado com Deomaji: de 14.03.1834  a 26.08.1834 (data em que faleceu).  Deixou apenas uma filha legítima, Chinamoji, pelo que foi sucedido pelo irmão.
* Vir Ragendra (irmão do anterior), casado com Razamoji, princesa de Belgai, a qual pela homonimia com a sogra passou a chamar-se Razamoji Junior: de 23.10.1834 até ao seu falecimento em 08.09.1836.  Não tendo descendência masculina, o casal adoptou "na forma dos usos e costumes hindus" um filho de Gontepá Goudda, de Indore, chamado Callama Goudda, que depois da cerimónia de adopção tomou o nome que mais adiante se indica.
("A morte do rei Vir Ragendra", diz Gracias, "foi o ponto de partida para graves dissençõesventre as três rainhas viúvas.  Razanoji sénior, Deomaji e Razanoji júnior, seja quanto à administação dos bens familiares e subsídio do Estado, seja quanto à legalidade e legitimidade da adopção, que após laboriosos esforços foi confirmada por sentença de 3 de Abril de 1846 e acórdão da Relação, de 4 de Setembro de 1857".  Deomaji faleceu 18.02.1837, Razanaji sénior em ?.12.1848 e Razanaji júnior aos 24.02.1857).
* Savay Bassava Linga Ragendra (ex-Cullana Goudda), filho adoptivo de Vir Ragendra, casado com Nongén Magi, filha do Rajá Sungutur Smodi Xencôr Rael Esvonta Bahadur, do principado de Panganur, e da princesa Chinamoji (filha - ver cima - de Sadassiva Regendra): podemos situar o início do seu reinado em Abril de 1846 (data da sentença confirmativa da legalidade da sua adopção).  Faleceu em Janeiro de 1860, deixando um filho menor de 4 anos.
* Nongém Magi, princesa regente: de Janeiro de 1860 até à sua morte em 27.11.1862, altura em que o trono ficou vago durante cerca de 7 anos, até o seu filho vir a ser reconhecido pelo Governo do Estado da Índia "como legítimo representante e sucessor dos direitos e bens da casa de Sundém".
* Savay Vir Sadassiva Vodder Raja Bahadur, nascido em 1856, filho do rei anterior e da primeira regente, casado com sua prima (filha do já referido rei de Panganur, seu tio materno): desde 12.06.1869, data do seu reconhecimento.  Reinava ainda no final daquele século XIX.
Diz Ismael Gracias que "na calamitosa quadra de 1895" (revolta dos cipais de Pangim e dos Ranes) este último "rei de Sundém foi julgado, em 4 de Dezembro, rebelde, por não ter comparecido no prazo marcado aos mercenários do Estado, mandando-se reverter à fazenda os bens que ele possuia e cessar-lhe o pagamento da pensão" (que nessa altura era de Rs. 5.661.11,00 - Cinco mil seiscentas e sessenta e um rupias e onze tangas); e continua: "Desanuviado o horizonte político, foi declarada sem efeito a nota de rebeldia e a reversão dos bens; mais tarde obteve o rei de Sundém os abonos a que tinha direito, e continua a receber o subsídio fixado".

2 comentários:

avogi disse...

obrigada. Não deu para conhecer pois só indo lá mas pelo menos fuquei com mais conhecimento sobre essa terra que serviu de lar a muitos portugueses.

Patti disse...

Pois eu fiquei enfocada ali mnas sedas das senhoras. Oh p'ra mim naquele mercado! É que me estou mesmo a ver ali!