domingo, 11 de outubro de 2009

AUTÁRQUICAS? É SÓ UMA QUESTÃO DE VIZINHANÇA

Isto de a modernidade se ter instalado pode ser muito bom ... mas também pode ser muito out.
Eu passo a explicar.
Enquanto que nas Legislativas e nas Presidenciais só com um grande Galo daqueles mesmo Universais os candidatos serão passíveis e possíveis de ser meus vizinhos (do lado, duas casas adiante, do bairro).
Nas eleições autárquicas só mesmo com um grande Galo (Local) é que os candidatos são impossíveis de ser meus vizinhos (do lado, duas casas adiante, do bairro); se para eles, o facto de eu ser vizinha deles passou a ser passível de me passarem a dirigir a palavra, sorrirem-me, a mim deixa-me, completamente, impassível.
Ou antes, não me deixou impassível, a súbita boa vizinhaça que os meus vizinhos passaram a fazer-me, a mim que nunca lhes ligo, liguei ou ligarei nenhuma e até os desdenho, e eles até sabem disso, até me deixou curiosa e com uma, duas, três ... epá 4 pulgas atrás da orelha, logo agora que já não tenho gatos e não comprei Frontline.
Eis senão quando, sexta-feira, fiquei completamente esclarecida ao abrir a caixa do correio. A caixa estava atulhada de papéis, cartas, folhetos, panfletos e, até, uma caneta para eu poder ir votar num candidato completamente livre de poder apanhar Gripá.
Sábado passei o dia em reflexão, trocando por graúdos, passei o dia a esmiuçar a dita correspondência.
E o que é que verifico? Que este bairro onde vivo é politicamente interventivo. Que os meus vizinhos são politicamente activos e gente muito influente. Que o meu bairro deveria ser uma freguesia, tal a quantidade de vizinhos com T0 em todos os partidos políticos que neste concelho concorrem.
Graças aos modernismos os folhetos apresentam-nos os candidatos todos nas suas melhores figuras e nominados.
Passei a saber os nomes dos meus vizinhos, passei a saber a que partido pertencem, passei a ter a certeza que faço bem em não lhes passar cartão, o que neste caso, poderemos substituir por voto. Passei a perceber o seu súbito interesse por mim. Passei a saber que, amanhã, já não seremos bons vizinhos ... e isso é o que me deixa confortável ... aliás, há alguns com quem tinha umas contas a ajustar ... e agora estão completamente ajustadas.
Sabem porquê? Porque apesar de morar onde moro (Paço de Arcos), nunca poderia votar nos meus vizinhos ... é que, para todos os efeitos e por enquanto, estou recenseada noutra freguesia do concelho e isso fez toda a diferença ... o distanciamento físico é melhor vizinhança e boa conselheira.

2 comentários:

avogi disse...

Ai se eles soubessem...pouapavam muita saliva. Glup, glup

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

É por isso que aos vizinhos da freguesia se chama fregueses!